pixel facebook

Covid-19 Tag

Investir em anúncios online durante a pandemia da Covid-19 se tornou um desafio para as empresas. O vírus, seus impactos econômicos e sociais frearam investimentos em marketing digital. Por outro lado, com o isolamento, as pessoas passaram a ter mais tempo para consumir conteúdo online. O desejo de manterem-se conectadas e informadas aumentou muito o número de impressões sobre anúncios, especialmente via mobile. Ao mesmo tempo, o custo por essas impressões diminuiu ao redor do mundo, justamente pelos menores investimentos. Isso quer dizer que houve uma queda no CPM, custo por mil impressões. Essa é a sigla para a métrica de desempenho relativa ao custo cobrado quando os anúncios são exibidos mil vezes. A boa notícia é que essa queda gerou oportunidades para que pequenas e médias empresas anunciem por custos mais baixos. Primeiras semanas da pandemia de Covid-19: menos gastos com anúncios Com o avanço da pandemia de Covid-19, muitas empresas deixaram de comunicar. Em 8 semanas de isolamento no Brasil, de meados de março a meados de maio, houve uma queda de 34% no número de anúncios. Muitas empresas consideravam que veicular campanhas naquele momento era arriscado para sua imagem. E essa postura, em parte, ainda persiste. Contudo, no momento atual, a...

Muitos dizem que o passado é a maior fonte de lições. Mas será que, no caso desta crise 2020, é realmente possível se espelhar nele para prever suas consequências? O que sabemos é que vivemos um contexto praticamente inédito. Mesmo assim, não é preciso procurar muito para encontrar comparações com a crise 2008 que, na maior parte das vezes, são simplistas. Neste texto, vamos entender um pouco por quais motivos. Todos estão enfrentando imensos desafios neste ano. As pessoas em seu dia a dia, com suas finanças. As empresas tentando driblar as consequências iniciais da crise e se preparar para as futuras. Esses desafios não são familiares para ninguém, por isso, demandam soluções inéditas. E, para as empresas, adequar-se às demandas do consumidor é algo a ser feito com muito mais rapidez e dedicação do que antes considerado. Contexto da crise de 2020: uma visão abrangente Partindo de uma visão macro, sabemos que cada local está conseguindo lidar de determinada maneira com a crise 2020 e suas consequências. Sejam países ou regiões de países, os níveis de desenvolvimento influenciaram muito, em um primeiro momento, no combate ao vírus. E o mesmo já está acontecendo com relação às suas consequências econômicas. Em locais de...

Durante a pandemia, os consumidores passaram a utilizar aplicativos ainda mais. Para se ter uma ideia, só no primeiro trimestre de 2020, o tempo médio passado em apps teve um aumento de 20% em comparação ao mesmo período de 2019. As pessoas recorrem a eles procurando se manterem saudáveis, produtivas, informadas e conectadas. Assim, não há dúvidas de que aplicativos têm feito a diferença para que enfrentemos o dia a dia desta fase complicada. Aplicativos e uma nova estratégia Essa mudança de comportamento dos consumidores fez com que empresas e marcas adaptassem suas estratégias. Algumas vezes, até seus modelos de negócio. Tudo para que seus aplicativos fossem assertivos em entregar aquilo que os usuários estão precisando. E essas novas estratégias têm dado certo. Mais de 1 em cada 3 consumidores passou a usar uma nova empresa ou marca por conta da maneira inovadora ou solidária que ela respondeu à pandemia. Por isso, a forma como uma empresa ou marca se posiciona diante do cenário atual influencia muito na decisão de compra. Essa é uma variável importantíssima, já que neste momento lidamos com consumidores cada vez mais cuidadosos na hora de fechar negócio. Mais do que nunca, uma marca deve ser humana, solidária e...

A pandemia de Covid-19 exige novas estratégias. Vivemos um clima de instabilidade, o que tem gerado mudanças drásticas em hábitos pertencentes a diferentes partes de nossas vidas. Dessas, as duas mais afetadas certamente são saúde e trabalho. Estratégias de marketing resiliente à Covid-19 Além dos riscos trazidos pela disseminação do vírus, a incerteza e a necessidade de isolamento social frearam a economia ao redor do mundo. Isso tornou esta fase muito delicada para as finanças da maioria das pessoas. Consequentemente, o comportamento do consumidor não é mais o mesmo que o de há seis meses atrás. Isso obriga empresas e marcas a reverem suas estratégias de marketing para a pandemia de Covid-19. Esta é a hora de planejar e tomar algumas ações. Ainda é tudo muito novo e incerto, por isso, fazer previsões definitivas agora seria equivocado. Mas, com base no que temos vivido, podemos delinear as bases de novas estratégias para empresas ou marcas que as tornem capazes de se adequar a um novo cenário e a um novo comportamento do consumidor, que ainda deve perdurar. Afinal, uma estratégia de marketing também pode ser resiliente e se adaptar às adversidades, com o intuito de tirar os melhores resultados possíveis da situação. Entender as...

Ficar em casa por conta da Covid-19 transformou o comportamento do consumidor. Este momento de quarentena não é algo definido, assim como o que virá depois. Dessa forma, vivemos uma fase de grandes incertezas, já que não sabemos o que acontecerá amanhã. Nestas condições, a capacidade de adaptação torna-se nosso maior trunfo. E esse lema serve também para o marketing das empresas e marcas. O consumidor e sua nova fase Vamos partir de uma visão mais ampla sobre o que, em geral, acontece com o comportamento das pessoas em isolamento social. Com a diminuição das atividades fora de casa, o tempo que era escasso se tornou mais fluido. Passamos mais tempo sozinhos, com nossa família ou dentro de nossas cabeças. Isso dá margem para sentimentos como o tédio, a ansiedade e a incerteza inerente ao momento. Por isso, sentimos necessidade de buscar mais formas de nos mantermos ocupados. Pelos dados de pesquisas Google durante a pandemia, podemos dizer que temos tentado nos adaptar à situação por meio de informações sobre: - A Covid-19 e suas implicações à saúde e ao dia a dia. - Mudanças no trabalho e na economia. - Bem-estar e conexões com a comunidade. - Segurança financeira e renda extra. - Aprendizado e cursos online. -...